Por Rian Fernandes 

Atrás das épocas de Natal e Dia das Mães, o Dia dos Namorados é a terceira melhor data para o comércio varejista. No entanto, com a situação atual, este ano as vendas devem sofrer uma queda de receita na comparação com 2019.

O Núcleo de Economia do Sincomercio Araraquara promoveu uma Pesquisa de Intenção de Consumo por meio de um questionário online nas últimas semanas. O estudo contou com a participação de 60 consumidores, sendo 53% do gênero feminino e 47% do gênero masculino. 

Sincomercio 1
Mais dados sobre os entrevistados da pesquisa. Fonte/Elaboração: Sincomercio Araraquara7

A pesquisa mostra que 60% dos entrevistados pretendem comprar algo para o parceiro, porém os outros 40% que participaram do estudo não vão presentear. Dos que não vão as compras, 65% afirmam que o motivo é a falta de recursos e 31% declararam que não possui familiaridade com o comércio online e também possui receio de contágio do coronavírus, por isso, também não vão para as compras presenciais. Houve ainda 4% de pessoas que não justificaram a decisão. 

Valor médio do presente

De acordo com a pesquisa, o gasto médio por pessoal deve ser de R$ 157,06. A maioria dos consumidores, 29%, se programam para gastar entre R$ 50,00 e R$ 100,00. Aproximadamente 21% pretendem gastar um pouco mais, entre R$ 150,00 e R$ 200,00. Além disso, 18% planejam comprar algo que custe de R$ 100,00 a R$ 150,00. Já outros 18%, vão desembolsar menos, cerca de R$ 50,00. Para finalizar, 15% deverão comprar R$ 200,00 ou mais em presentes.

Dividindo por classe social, o valor de consumo médio da classe baixa deve alcançar R$ 78,33. Já classe média, deve gastar mais, uma quantia média de R$ 174,78 e a alta, R$ 157,06.  

Sobre as formas de pagamento, 62% vão comprar à vista e 38% vão parcelar. A pesquisa ainda apontou detalhes sobre os segmentos escolhidos para comprar presentes no Dia dos Namorados.

Intenção de compra por categoria de produto – Dia dos Namorados 2020

Sincomercio 2
Fonte/Elaboração: Sincomercio Araraquara

 Metodologia 

A classificação por classe de renda considera a faixa salarial respondida pelos entrevistados. Assim, aqueles que têm rendimento de até um salário mínimo (R$ 1.045,00) foram enquadrados na classe baixa. Os que recebem entre um e cinco salários mínimos (R$ 1.045,00 a R$ 5.225,00) conformam a classe média e acima de cinco salários mínimos estão os integrantes da classe alta.

Fonte: Sincomercio Araraquara

 

Leave a Reply